Fazemos Bem

16/12/2017

Lello, Impetus e H3 foram as empresas premiadas em 2017

A edição 2017 dos Prémios Fazemos Bem terminou com um almoço “networking” no passado dia 14. Livraria Lello (Inovação), Impetus (Exportação) e H3 (Crescimento) foram as empresas premiadas. Não perca o suplemento de oito página que o JN irá publicar no dia 18, segunda-feira.

Aurora Pinto (Lello) recebeu o troféu relativo à Inovação das mãos de Ana Teresa Lehmann, secretária de Estado da Indústria

Alberto Figueiredo (Impetus) recebeu o troféu relativo à Exportação

João Ventura (H3) recebeu o troféu relativo ao Crescimento

A célebre e centenária Livraria Lello, no Porto, tinha acabado de ser agraciada com a distinção na categoria Inovação dos “Prémios Fazemos Bem 2017”, e isso acabaria por marcar a intervenção da secretária Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, que entregou o galardão em mãos à Administração da empresa que tem visto o volume de negócios crescer exponencialmente.

“A nossa riqueza está justamente neste binómio inovação/tradição”, sublinhou a governante durante o discurso que encerrou a cerimónia de atribuição dos prémios, uma iniciativa do “Jornal de Notícias” que distinguiu mais duas empresas nas áreas da Exportação (venceu a empresa Impetus) e Crescimento (a H3 foi a escolhida) e que decorreu, na quinta-feira, dia 14, no Mercado Ferreira Borges, no Porto.

“Em Portugal, temos de nos orgulhar da nossa tradição”, lembrou Lehmann, salientando que isso “é algo verdadeiramente diferenciador”. “Não é por acaso que, muitas vezes, os nossos setores tradicionais são dos mais inovadores”, vincou a secretária de Estado, numa intervenção em que fez questão de explorar o tema.

“A inovação encontra-se e está muito presente nos setores ditos tradicionais”, mas – acrescentou – também nas “‘startups’”: “temos um dinamismo muito interessante e empresas emergentes em diversas áreas”.

“O nosso país, não sendo muito grande, é, do ponto de vista empresarial e industrial, extremamente diversificado e tem muito para oferecer. Temos casos de excelência que ombreiam com as melhores práticas a nível internacional, e não devemos ter receio de o afirmar e valorizar”, apelou Ana Teresa Lehmann, que se congratulou com o “momento muito positivo” da economia nacional “em termos de crescimento, de exportação e inovação”.

“Os nossos empresários têm sabido adaptar os seus negócios a processos produtivos e inovadores no âmbito da chamada Indústria 4.0”, afirmou a governante. E garantiu: “a digitalização da economia é uma das nossas prioridades, e estamos a apoiar as empresas nesta transição através de uma estratégia baseada em políticas públicas e alavancada em várias linhas de financiamento e apoio à iniciativa privada”.

Os pormenores do debate serão desenvolvidos num suplemento a ser publicado na segunda-feira, dia 18 de dezembro.

Ana Correia Costa